Buscar

Depressão Covid: porque é inédita e como o coronavírus nos afetará a longo prazo

O notável psicanalista Juan David Nasio analisa os efeitos emocionais da pandemia: “O deprimido Covid 19 não crê mais em nada”.



Juan David Nasio. Fonte: Divulgação




"Depressão Covid-19" é uma alegoria da alegria. Uma capa em amarelo, com letras azuis, vermelhas, e a palavra fatídica em preto. Cor e esperança nos dias mais sombrios da epidemia que controla o planeta. O Dr. Juan David Nasio está publicando seu livro número 25 em meio à pandemia e assim o batizou. E acrescenta uma pergunta: "Todo mundo pode cair em depressão?"


Este psiquiatra e psicanalista franco-argentino, que veio para a França em 1969 para estudar junto a Jacques Lacan, hoje é professor, com seus livros traduzidos para 14 línguas. Discente por mais 30 anos na Universidade de Paris VII e com um seminário na Ecole Freudiane de Paris, foi fundador dos Seminários Psicanalíticos de Paris. Em 1999 o governo francês o condecorou com a Legião de Honra, e posteriormente com o título de Cavaleiro. É Doutor Honoris Causa por universidades em Buenos Aires, Rosario e em Córdoba.


No seu consultório em frente ao Sena e em plena epidemia, o Dr. Nasio descobriu que seus pacientes estão cada vez mais angustiados e deprimidos, em meio à crise de saúde e ao compasso das medidas restritivas. Nesse contexto, ele decidiu batizar o novo fenômeno de "depressão Covid" e começou a escrever. Suas conclusões foram discutidas em uma longa conversa com o Jornal Clarín, em seu estúdio em Paris.


--Quais foram os efeitos do Covid 19 na saúde mental?


--Mais do que os efeitos da própria Covid 19 na saúde mental, são os efeitos da crise de saúde produzida pela Covid 19. Um fenômeno curioso aconteceu comigo. Recebo pacientes e vejo que todos aqueles que estiveram deprimidos nos últimos meses, é pelo mesmo motivo: um forte acúmulo de angústia. E isso me fez batizar essa depressão muito específica com o nome de "depressão Covid 19". Essa depressão é uma variante inédita da depressão clássica.


--Quais são as características dessa depressão epidêmica? Como ela se difere da depressão clássica?


--A depressão clássica é uma doença caracterizada pelo empobrecimento das emoções. As emoções ficam todas como adormecidas. Se caracteriza por uma tristeza tenaz e um retraimento crítico de si mesmo, vexatório. A pessoa deprimida pensa nela o tempo todo e fica deprimida. E se critica, se rebaixa. Também se caracteriza pelo fato de a pessoa se sentir cansada, o tempo todo cansada. Ela dorme muito, levanta-se e está cansada. Físicamente cansada e moralmente entorpecida, ela não sente vontade de nada. Isso é o que caracteriza a depressão clássica. A tristeza em depressão Covid 19 é tristeza com angústia, é uma tristeza ansiosa, é uma tristeza atormentada e também é uma tristeza irritável, é uma raiva, um desgosto.



O novo livro de Juan David Nasio. Foto: Noel Smart



--Por que ele está com raiva?


--O deprimido Covid 19 é um deprimido raivoso, porque sente que é maltratado, frustrado, privado. Ele não consegue mais lidar com a angústia, causada pelas frustrações e privações, devido a todas as medidas que estão sendo tomadas para deter esse vírus. E está com raiva do mundo e, acima de tudo, está com raiva do governo, porque sente-o incompetente. E agora, com as vacinas, porque repete-se o que já aconteceu com as máscaras. Na verdade, agora com vacinas estamos atrasados ​​na França, porque não há vacinas e porque não há freezers para vacinas. Então, o deprimido Covid 19 é crítico, ele recrimina. É uma recriminação. Ele também é contra os médicos, que estão na TV o tempo todo e têm posições um tanto hipócritas e falsas. O deprimido Covid 19 não acredita mais em nada.


--É como um "colete amarelo" psiquiátrico?


--Exatamente. Ele se sente ameaçado e triste porque não aguenta mais. É por isso que digo que na depressão de Covid 19 a tristeza é uma tristeza ansiosa, é uma tristeza atormentada e uma tristeza irritável.


--Você diz: "A angústia se torna corrosiva e, diante da angústia da crise de saúde, essa pessoa se torna 'vingativa'. Depois, ela fisicamente se esgota e, moralmente, cai em depressão." Como são essas etapas?


--Isto é muito importante. O fenômeno que ocorre primeiro é a crise sanitária, a realidade. Há uma realidade que existe. Essa realidade, para aquelas pessoas muito sensíveis, é produzida pela angústia, que se acumula, se amplia. E a angústia é tanta que chega como um paroxismo de angústia e aí se transforma em exasperação. Em segundo lugar, a pessoa já tem acessos de raiva, está com raiva do mundo. De repente, em uma terceira etapa, ele fica cansado, exausto. Ela está desencantada, ela perdeu toda a ilusão, ela perdeu toda a esperança. E depois disso, depressão. Depois, crise de saúde, frustrações e privações da crise de saúde, angústia, exasperação, lassidão, e logo tristeza depressiva.





--Quais são as quatro angústias da Covid?


--A angústia de Covid 19 tem quatro motivos. Em primeiro lugar, a angústia, o medo da doença, de adoecer e, sobretudo, de morrer sozinho no hospital. Porque isso não é apenas estar doente. É também falecer sem que sua família possa se aproximar. Então, o angustiado tem medo de morrer sozinho ou às vezes de contaminar alguém da família ou um amigo.


--E depois?


--A segunda angústia de Covid 19 é o problema do confinamento, do isolamento. É a angústia de estar isolado. Estamos confinados hoje. Houve confinamento, depois não-confinamento e depois a volta ao confinamento. Estamos numa situação em que o primeiro confinamento e o segundo são totalmente diferentes. No primeiro confinamento saímos pelas janelas às 8 da noite para aplaudir o povo. Foi um confinamento silencioso e resignado. Esse novo confinamento é profundamente indisciplinado. Estamos em rebelião contra este confinamento. Estamos mal, estamos perdidos. Porque é um segundo confinamento que mostra que a ilusão que tínhamos de que esta epidemia ia acabar, descobrimos que esta epidemia continua.


--E que efeitos isso terá mentalmente a longo prazo?


--Eu acho que o ser humano é maravilhoso, porque sabemos nos adaptar. A diferença entre os humanos e todas as outras espécies animais é que sobrevivemos porque nos adaptamos. Esta é uma ideia antiga de Darwin. Como consequência, vamos ter que nos reajustar. Mas, no momento, ocorre uma luta entre a adaptação que temos que fazer e a dor de ter que fazer um esforço para nos adaptar. Depois o isolamento, a angústia de estar isolado. E também o contrário, estando confinado, existe a angústia de estar com o outro próximo demais. Tenho pacientes que me ligam e falam: "Não aguento mais meu parceiro, ele fica em cima de mim o tempo todo." Ou "Ele quer fazer amor o tempo todo" ou "Ele quer ir para a cozinha", "Não estou acostumada a morar com ele há tanto tempo."


--Quer dizer, não há distância, nem privacidade.


--Não há privacidade. Então, ou o outro está faltando ou o outro nos pesa. Esse é o segundo tipo de angústia. O terceiro tipo de angústia da Covid 19 é a angústia da incerteza econômica. Ou seja: não sabemos o que vai acontecer, como vai evoluir o trabalho e a empresa. Como o país ainda vai evoluir economicamente. Portanto, há o medo de que o trabalho seja ausente ou que meu trabalho seja tirado de mim.


-- E a quarta angústia?


--Para mim é o mais profundo: é a angústia de que falta um futuro. Não há linha do horizonte, não há horizonte definido. Vivemos numa época em que não podemos projetar nada. Não sabemos o que vai acontecer em cinco semanas. Não sabemos se haverá feriado ou não em fevereiro. Não podemos projetar. Existem empresas que têm projetos de desenvolvimento, fusões com outras empresas. Existem projetos muito importantes a nível urbano, a nível de país. É difícil projetar o futuro porque não há futuro, não há linha do futuro. Então, essas são as quatro principais ansiedades.


--Essas restrições de movimento, como são vivenciadas? Elas são consideradas um ataque à liberdade?


--É verdade, há muitas pessoas entre nós que não apoiam medidas restritivas. Aí não existe angústia, mas sim indignação. Eles se sentem indignados, com raiva, rebeldes contra qualquer medida que atente contra a liberdade. Sentem que são tratados de maneira infantil e que estão privados da liberdade natural do ser humano, que também está em todas as constituições. Essas medidas restritivas foram experimentadas e são experimentadas por muitos de nós como um ataque à privacidade e às decisões que podemos tomar.


--"Existe outra opção?"


--Provavelmente não há outra opção, porque você terá que se adaptar, mesmo que seja doloroso. Eu mesmo tenho que me adaptar a colocar a máscara para receber meus pacientes e tenho que estar a uma certa distância. Eu me considero um psicanalista muito próximo de meus pacientes. Até escrevi que me sinto muito próximo. Agora eu tenho que me impor limites. Porque você tem que respeitar as barreiras.


--E essa tristeza gerada pela Covid, vai ser incorporada ou temporária?


--É uma tristeza ansiosa e irritável, atormentada. Mas é uma tristeza que não dura o tempo todo. Isso dura tanto quanto dura a crise de saúde. Essa é a diferença com a depressão clássica. A depressão clássica é uma depressão em que a tristeza dura, é permanente. Às vezes, pode durar três semanas, um mês sem atividade, apesar dos medicamentos antidepressivos. Acho que quando a crise de saúde passar - e esperamos que estejamos no limiar do fim desta epidemia com vacinas, voltaremos a um estado normal.


--Que atitude se deve adotar diante de um “deprimido Covid”, como acompanhá-lo?


--Tenho muitos pacientes que não estão deprimidos, mas a mulher está deprimida, o irmão. E me perguntam: "Doutor, o que eu devo fazer? Você não quer consultar e não sei como ajudá-lo." Eu proponho cinco coisas. Primeiramente peço-lhe por favor: “Quando você for estar com seu irmão e falar com ele e ouvi-lo, você está bem, não fique ansioso, procure ficar calmo, vá calmo.” Porque a tranquilidade em você você vai transmitir a ele. Ele precisa ser capaz de falar, reclamar e reclamar com alguém que está bem. Mostre-se bem e esteja bem com tudo." A serenidade é transmitida. Acho que uma pessoa que vai ouvir um membro da família deprimido tem que estar relativamente bem, não pode estar angustiada.


--E de imediato?


--Quando você falar com ele, lembre-se de que as palavras não são o importante. O importante é a maneira de dizê-los. Que ele sinta que você as diz com convicção, que as diz com todo o seu corpo, que você fala com uma voz em que a voz carrega toda a presença. Outro conselho que dou é tentar entrar em sua história. O deprimido é um ser que se afoga no presente. Ele não consegue pensar no futuro e nem mesmo consegue pensar no passado. Viva em um presente difícil, horrível e pesado. Então tire isso do presente. Tire-o dessa relação que ele tem com uma ameaça permanente e leve-o o mais longe possível, com inteligência, tato e respeito. Leve-o para que ele possa falar sobre alguns momentos significativos e importantes de sua história. Às vezes, como faço com muitos dos meus pacientes deprimidos, peço que tragam uma foto de família ou várias fotos, para que possam me contar sobre as fotos, me explicarem as fotos. E você não tem ideia do efeito extraordinário que isso tem. Eu tiro o paciente daquele presente ameaçador e posso ter um momento de descanso com o passado.





--Então, ele deve lembrar-se de seu passado para que possa de alguma forma construir um futuro?


--Exatamente. É preciso voltar ao passado para que ele perceba que, do passado até hoje se construiu uma vida, e que há um futuro que o espera. Mas de todas as recomendações que dou, há uma para mim que é a mais importante: é saber que, quando se ouve alguém que o mais importante é você, como você abre suas emoções. Isso é o que o ajuda fundamentalmente. Não o que ele faz ou diz, mas o é, o que sente.


--Teremos que ser muito pouco dogmáticos para tratar os deprimidos do Covid: nem lacanianos nem freudianos. Como é a técnica?


--Você tem que ser você mesmo. Não tem que fazer uma teoria ou um dogma, com tudo que aprendeu, com toda a experiência, com todos os livros que leu. Ou se for uma pessoa que não é profissional, com toda a experiência que aprendeu na análise ou na terapia que está fazendo. Ser um, no fundo de si mesmo , e sentir que se é esse mesmo é o que permite ao outro compartilhar comigo o que vive e poder pacificá-lo.


--Como a depressão de Covid afeta crianças e adolescentes?


--É como se eles estivessem mais confiantes e com menos medo do que nós, adultos. Eles vêm com uma máscara às vezes e eu tenho que pedir para tirarem porque preciso olhar para o rosto deles. Mas a criança está calma e os adolescentes também. Os adolescentes são como se dissessem: "Bem, temos outros problemas para resolver: o problema da escola, o problema do amigo ou o problema da namorada ou o problema desse concurso. Mas sobre a epidemia, posso dizer ouvindo meus pais e os adultos ao meu redor, que estamos realmente vivendo uma época muito difícil. "


--Outro ponto são as vacinas. Para muitas pessoas, uma esperança e para outras uma negação. Na França, apenas 56% desejam se vacinar. Por quê?


--Antes das vacinas, a maioria das pessoas não seria vacinada. Assim que as vacinas chegaram, as pessoas concordaram em receber muito mais vacinas. Tenho certeza que se fizermos uma estatística hoje, o número de pessoas que querem ser vacinadas sobe para 80%, influenciada pelos outros países onde as vacinas são aplicadas. Mas há um fenômeno curioso, que uma vez que decidimos: "Vamos nos vacinar", descobrimos que não há vacinas no país. E sobretudo que não existem freezers fundamentais para certos tipos de vacinas, como o da Pfizer. As vacinas não chegaram, não há vacinas. Vivemos da mesma forma que vivemos com máscaras. Quando diziam "não use as máscaras", mas na realidade não havia máscaras. Hoje falam que as pessoas não querem se vacinar, mas o que acontece é que não há vacinas.


-Os infectologistas e virologistas falaram, chegou a hora de psiquiatras e psicanalistas falarem?


--Acho que nós psicólogos, psiquiatras, psicanalistas, temos um papel muito importante neste momento de crise de saúde. Iremos ter um papel cada vez mais indispensável, cada vez mais essencial. Porque os seres humanos estão passando por catástrofes cada vez mais difíceis de suportar. Estamos vivenciando algo absolutamente sem precedentes na história da humanidade. Nem mesmo as antigas pragas da Idade Média ou do século 18 ou 19 são comparadas ao que estamos experimentando. Hoje a pandemia está sendo vivida por todo o planeta.


--E a que você atribui isso?


--Existem duas respostas. Uma resposta hipotética e uma segunda resposta um tanto mística. A resposta hipotética é que essa pandemia é como uma "resposta" à globalização. É como se Deus nos dissesse: "Ah, você quer viajar pelo mundo todo e quer dominar o planeta inteiro." E bem, o planeta inteiro vai ficar doente. Acho que nessa alegoria que falo de Deus. Estamos aprendendo, extraordinariamente, e presenciando coisas que nos trazem humildade. Para mim, a humildade que temos que ter agora é fundamental, para nos sentirmos humanos, menores que a natureza. A natureza é poderosa. Vamos nos defender, mas obviamente essa é uma natureza que prevalece.


--Esta mudança estrutural fala de uma nova sociedade, com outros valores e com outras formas de consumo ...


--Parece-me uma evidência de que após tal catástrofe, novos padrões de vida social irão aparecer. Já estão aparecendo agora: a importância do numérico, novas diretrizes na forma de se relacionar. Minha previsão é que voltaremos aos mesmos hábitos sociais. Haverá mudanças na comunicação. Mas o importante que gostaria de dizer é que hoje, com a crise de saúde, a mensagem é "Não vamos chegar perto". A mensagem é que, depois dessa epidemia, não tenhamos mais medo de nos aproximar. Precisamos nos aproximar, precisamos de amor. Parece que essa epidemia nos obrigou a dizer "Separados, não se amem, não se toquem, não se vejam." É horrível. É o completo oposto das pulsões de amor que estão em cada um de nós. A pulsão do ser humano é uma pulsão gregária. Precisamos dos outros.


--Quais são as lições da pandemia?


--Para mim o essencial são quatro coisas, que virão mais tarde. Primeiro, que é vital, é o corpo. Um corpo são, que não nos impede de viver. Em segundo lugar, amor. É a presença afetuosa do outro e minha presença afetuosa por ele. É vital amar, ser amado e se sentir amado. E a terceira coisa vital que vamos continuar a ter mais tarde é agir, fazer. O fundamental é a ação: é estar em ação, é cumprir uma tarefa. Recebi uma tarefa, você recebeu uma tarefa. O importante é que eu sinto que faço o que tenho que fazer. Mesmo que sofra, mesmo que esteja cansado, mas pelo menos sei que estou ali, agindo. E a quarta, provavelmente a mais importante de todas e que tem a ver com o futuro que eu estava dizendo, é se sentir esperado. Eles estão esperando por mim, alguém está esperando por mim. Vivo e me sinto eu mesma, pois cada um de nós e cada um dos que estão lendo esta entrevista, sabe que para ele o fundamental é se sentir esperado.


*Texto produzido em tradução livre pela equipe Relações Simplificadas. Para encontrar o artigo original do Jornal Clarín, clique aqui


Conheça a série sobre depressão em nosso canal no YouTube: www.YouTube.com/RelaçõesSimplificadas


Ou acesse diretamente o terceiro episódio da série:

#CulturaPsi #Depressão #RelaçõesSimplificadas

1,735 visualizações5 comentários

Posts recentes

Ver tudo